Temerosos temerários

setimo selo

O medo é uma sensação, uma emoção ou um sentimento. Pode procurar no google, você acha os três. E pode ser os três, que parecem estar entrelaçados numa espécie de memória meio torta. Tomo a nostalgia por referência, que às vezes se revela uma saudade do que não não foi vivido: o medo às vezes parece uma lembrança do que não aconteceu. Não precisa ter se queimado pra ter medo de fogo. Existe o medo do fogo porque alguém te prometeu que fogo machuca, o que me faz pensar que o medo em gente é um pouco diferente do medo dos outros animais. Mesmo que esteja associado à algo primitivo, o medo depende muito do que é dito, nem sempre do que é vivido (ou da programação genética).
E falando em coisas primitivas, de lá pra cá a espécie sobreviveu, não? Sucesso (mais ou menos), e talvez o medo tenha sido um aliado. Medo de lugares perigosos, do inimigo, do abandono do grupo, da escassez de alimentos. Pois é, só que hoje ter proteção e comida está um pouco menos difícil do que no passado remoto. Hoje valoriza-se a individualidade, a vontade e a singlularidade, o que teoricamente desloca as regras grupais de forma que não fiquem tanto em primeiro plano como forma de sobrevivência; passamos um bom tempo sem ter que nos preocupar tanto com o desperdício, prova disso é que consumimos muito e jogamos muita coisa fora; você provavelmente está lendo este texto protegido por paredes (mesmo que não estejamos exatamente seguros); e, no entanto, adivinhem? A maior parte de nós ainda preserva um monte de medos, e justamente de abandono (mesmo com todas as possibilidades de agrupamentos e afiliações que dispomos), de escassez (do que nunca faltou), de inimigos (perversos, que ainda não nos foram apresentados formalmente).
Fica mais fácil perceber que memória não é só registro de coisas vividas em gavetas cerebrais, mas também, é talvez e principalmente, reconhecimento daquilo que foi sugerido, contado, relatado, percebido, idealizado, enfim, socializado.Ter medo é, basicamente, acreditar nisso tudo (diferente do suposto aliado da sobrevivência).
Um exemplo mais complicado, e ideia de deus e de “capiroto” (é bom não falar, né, vai que atrai). Algumas religiões falam da necessidade de ser temente a deus, e eu pesquisei. Na religião, temer não significa exatamente ter medo, mas reconhecer como único, poderoso, que pode te salvar da miséria humana. Vejam só: o medo serve pra garantir a sobrevivência, e também para suportá-la. Estou rindo sozinho. E o medo do demônio (ops)? Seria temor também? A orientação de algumas igrejas é para que não se reconheça o demônio. Não reconhecer é não ter medo, e assim, ir extinguindo, aos poucos, a existência daquilo que se teme. Os estudos religiosos (cristãos) reconheceram que as pessoas acreditam naquilo que, no fundo, querem que existam. Neste ponto, ponto para eles. Não ter medo é não dar bola, concordo.
Luc Ferry, acredito que em um café filosófico na TV cultura, aponta o quanto o medo é infantil, no fim das contas, e um péssimo conselheiro. Péssimo conselheiro porque trava a vida, paralisa. E infantil, pois a criança acredita em tudo que ouve, ela sonha como bicho papão como se o tivesse visto um dia. Ela reconhece um bicho papão. Você reconhece um fracasso, uma demissão, uma traição, a morte dos seus pais, e nada disso aconteceu. Ou seja, você produz isso. Pra que? Fosse pra arriscar uma resposta direta: pura curiosidade… “Como será que seria se eu me queimasse?”. Quanta audácia.

fotinha lucas
Lucas Vinco é psicólogo em Ribeirão Preto, psicanalista, mestre em Saúde Pública pela Escola de Enfermagem da USP, professor de psicologia e gestão de pessoas na REGES – RP, psicólogo na Saúde Mental e nos Recursos Humanos na prefeitura de Sertãozinho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s